Você está em
Home > Notícias > O PLANO DE MANUTENÇÃO PARA SER EFICIENTE TEM QUE SER “SOBERANO”

O PLANO DE MANUTENÇÃO PARA SER EFICIENTE TEM QUE SER “SOBERANO”

Possuir uma equipe e plano de manutenção com qualidade é um diferencial, de destaque à cada dia mais para as empresas de sucesso. Uma empresa com processo de manutenção otimizada, onde os planos de manutenção existem e são cumpridos, tem condições de produção confiáveis, completamente diferentes de outras, que até podem ter ótimos equipamentos, mas que não tem um plano de manutenção eficiente. O plano de manutenção para ser eficiente tem que ser “soberano”.

Mais do que uma evolução tecnológica, o plano de manutenção é um dos pilares de apoio à sobrevivência das atividades das empresas, devido à todas as consequências sociais e econômicas que o não cumprimento de metas e/ou compromissos podem acarretar.

Infelizmente o conceito ou a sistemática da manutenção nos moldes, não acompanhou a evolução e os conceitos utilizados na fabricação, sendo deixado sempre a um segundo plano. A fabricação de moldes de injeção para termoplásticos exige que se trabalhe com máquinas sofisticadas, que produzem com alto nível de programação e oferecem produtividade com qualidade.

Ainda existe uma visão de que o gasto com manutenção tem que ser o mínimo e se procura fazer na maioria dos casos somente o necessário para produzir, sendo importante considerar investimentos para racionalizar o processo e ferramental.

Uma realidade que tem se observado e tendência, é a intensão dos clientes a cada vez mais, em comprar as peças plásticas prontas. Apenas requisitam e recebem o molde após este ter injetado praticamente toda a produção das peças para a qual, o mesmo foi fabricado.

A razão principal desta opção está no fato de que os moldes, principalmente aqueles feitos para produtos técnicos, possuem às vezes, tecnologias ou mecânicas muito complexas e modos de operação para montagem e desmontagem que exigem apenas profissionais especializados para a manutenção.

No entender do cliente, é preferível que o molde seja processado por quem o fabrica, em vez de assumir sua operação e ter que manter uma equipe especializada para a sua manutenção, além da vantagem de não ter que se preocupar com a fase de try-out e problemas que possam ocorrer em inicio de trabalho de produção, com molde novo.

Com essa temática, nas empresas começa a ser mais importante e valorizado na fase de projeto o estudo para aplicação do melhor conceito de molde e análise de possíveis falhas, com objetivo de aumentar a disponibilidade do molde quando este estiver em produção. Estas preocupações na fase de projeto e de fabricação criam condições para que em utilização os moldes tenham uma maior eficácia.

Com este planejamento, a fase de manutenção começa mais tardiamente, o que é muito importante para as empresas que fazem a injeção de plásticos. Os moldes técnicos, com aplicação de tecnologias mecânicas cada vez mais complexas, requerem uma supervisão mais efetiva a partir de sua implementação.

A existência de Planos de Manutenção pré-definidos que acompanham os moldes para onde quer que eles possam ir e o seu cumprimento, dão o suporte necessário para racionalizar permanentemente a sua utilização.

Estes e outros temas são abordados em nosso Info-produto Estudo livre Manutenção e moldes

http://moldesinjecaoplasticos.com.br/loja/

SUMÁRIO do Estudo:

01 – Apresentação / sumário
02 – Manutenção, uma garantia de eficiência para produção e qualidade
03 – Manutenção = Limpeza + Revisão
04 – A limpeza permite uma melhor avaliação na recuperação de moldes
05 – Manutenção preventiva exige uma metodologia

06 – A importância da análise crítica do projeto
07 – Detalhes da execução inicial do molde
08 – Mecanismo de desgaste sofridas pelas superfícies das cavidades
09 – Utilização de tratamentos de superfícies oferece vantagens
10 – Sistemas de ultra-som para limpeza em moldes

11 – Correção para ajuste de fechamento do molde
12 – Troca de parafusos, uma necessidade.
13 – Saída de gases interrompidas
14 – Acúmulo de resíduos, tipos de resíduos e borras
15 – Alteração / deformação da geometria das peças

16 – Aparecimento de rebarba nas peças
17 – Enrustido em peças móveis
18 – Quebra ou ruptura de peças frágeis e acessórios
19 – Amassado em áreas de produto devido colisão
20 – Imantação e desmagnetização das peças

21 – O uso de solda no aço pode alterar dureza e danificar gravuras e polimento
22 – Extratores temperados ou nitretados devem ser lubrificados
23 – Limpeza e teste de vazão do sistema de refrigeração
24 – Padronização de componentes em moldes exige planejamento
25 – Componentes padronizados permite a reposição fácil

26 – Condições do sistema de alimentação
27 – Retrabalho em porta moldes, são poucas as opções
28 – Ajuste de folgas elimina enrustido entre bucha e coluna
29 – Riscos ou ranhuras feitos por pinças na abertura do molde
30 – Variação de dureza tem influência no polimento

31 – Aplicação e função de Isolantes térmicos entre moldes e injetoras
32 – Como evitar corrosão nos furos de refrigeração
33 – O uso de protetivos prolonga vida útil dos moldes
34 – Observações sobre custos com manutenção
35 – Condições de ferramentas manuais

36 – Cuidado no transporte dos moldes
37 – Procedimento de montagem do molde na injetora
38 – Considerações para teste prático do molde
39 – Conservação de moldes de injeção requer locais apropriados
40 – Bom senso, atos e condições de segurança

41 – Glossário
42 – Guia com 54 tipos de Aços para fabricação de Moldes de Injeção

Deixe uma resposta


Top