Você está em
Home > Notícias > DESAFIOS DA ATUALIDADE ESTARÃO EM PAUTA NA FEIRA K 2022

DESAFIOS DA ATUALIDADE ESTARÃO EM PAUTA NA FEIRA K 2022

Escassez de semicondutores, quebra da cadeia de suprimentos, crise energética e reflexos da guerra na Ucrânia são os desafios que o setor de plásticos enfrenta em nível mundial. Eles foram debatidos em evento que antecede a realização da feira K.

Desafios da atualidade estarão em pauta na K 2022

Hellen Souza, de Düsseldorf (Alemanha)

A Messe Düsseldorf, organizadora da Feira K, realizou uma série de conferências de imprensa reunindo jornalistas do mundo todo, para antecipar ao público lançamentos que poderão ser vistos na 70ª edição do evento, que acontece entre os dias 19 e 26 de outubro deste ano.

O evento, denominado K Preview, ocorreu entre os dias 19 e 22 de junho, nas instalações do complexo de feiras da Messe. Nele foram discutidos os desafios da realização deste grande encontro no atual cenário complexo, que inclui a quebra da cadeia de suprimentos do setor em razão do conflito entre Rússia e Ucrânia, a crise na cadeia automobilística em decorrência da escassez de semicondutores e a questão energética na União Européia, fortemente dependente do gás fornecido pela Rússia.

Implicações relacionadas ao meio ambiente e às mudanças climáticas, as quais fizeram com que os plásticos se tornassem uma questão política, também aqueceram o debate e certamente estarão presentes na feira. No entanto, mesmo diante de tantas incertezas, o evento já conta com a ocupação de seus 19 pavilhões, nos quais poderá ser visto como a indústria se posiciona nesses novos e intrincados tempos.

Tecnologia para resolver problemas

Os impasses da atualidade ditaram as regras do desenvolvimento tecnológico do setor nos últimos três anos, desde a realização da última edição da feira, em 2019. Sustentabilidade e economia circular continuam em pauta, enquanto a questão energética disparou o alerta para a importância dos plásticos na construção de itens necessários à geração de energia de fontes renováveis, como a fotovoltaica e a eólica, por exemplo. A mobilidade elétrica é outro fator importante ao qual fabricantes de máquinas e fornecedores de resinas estão atentos, apresentando a sua contribuição para o atendimento a esses mercados.

A recuperação dos resíduos plásticos passa cada vez mais pela necessidade de mostrar como o valor desses materiais pode ser medido em dinheiro e o quanto a sua reciclagem pode fomentar a atividade econômica. O aprimoramento dos sistemas de separação e classificação, assim como de processamento dos reciclados estarão em evidência, além da oferta de insumos melhoradores de desempenho desses materiais.

Consolidação do padrão OPC UA para troca de informações entre máquinas

Outra tendência cuja consolidação poderá ser observada na feira é o estabelecimento do padrão OPC UA para a comunicação entre máquinas visando à criação de um ecossistema unificado para a difusão do uso de recursos da indústria 4.0 no setor, um esforço que vem sido feito pela OPC UA Foundation, junto com a Euromap, a associação europeia de fabricantes de máquinas para processamento de plásticos e borracha. Com o objetivo de demonstrar a digitalização da produção na prática, os visitantes poderão escanear um QR Code e acompanhar a operação de máquinas em funcionamento em seus smartphones.

A digitalização associada à economia circular também constitui uma tendência: o uso de recursos digitais no projeto de produtos tendo em vista soluções para o reaproveitamento do material ao final da vida útil promete finalmente tornar viável o sonho da economia circular. A codificação de cada produto, de modo que ele seja reconhecido e triado, poderá incluir dados como qual resina, qual processo, quais cargas ou aditivos foram usados, tintas que o coloriram, entre outros. Com base nesses dados, sistemas automáticos de separação poderão identificar os materiais, de modo a reintroduzi-los no ciclo produtivo com maior precisão. A legislação relacionada ao ecodesign, ou o projeto voltado para o reaproveitamento, é um impulso ao desenvolvimento dessas técnicas.

Bioplásticos

Os bioplásticos também estarão presentes no evento e são considerados uma importante via para a formação de cadeias produtivas mais amigáveis ao meio ambiente, tendo em vista que os plásticos se tornaram também uma questão política nos últimos anos. No entanto, porta-vozes da organização do evento avaliaram que ainda não há maturidade tecnológica e escala para que eles constituam uma alternativa segura para o abastecimento da cadeia industrial dos plásticos.

Segurança sanitária

A K 2022 acontecerá após a realização de outros eventos presenciais pela Messe Düsseldorf após a pandemia de Covid-19, o que dá à organização mais segurança quanto à forma de lidar com as questões sanitárias. O controle de acesso, a obrigatoriedade do uso de máscaras e o tratamento do ar nos pavilhões são algumas das ações da instituição nesse sentido.

A mais recente providência com relação a isso foi a instalação de filtros HEPA (acrônimo para high efficiency particulate arrestance, ou “alta eficiência na retenção de partículas”) no sistema de condicionamento de ar dos pavilhões e dos edifícios em que funcionam os serviços de apoio. De acordo com a organização, os filtros eliminam 99,9% dos vírus, bactérias e partículas nocivas, sendo normalmente utilizados em salas limpas e instalações hospitalares.

Acompanhe as novidades

As empresas Reifenhäuser, Battenfeld Cincinnati, Sikora, Sumitomo Demag, Covestro, Wacker, Krauss Maffei, BASF, Lanxess, Röhm, Asahi Kasei, KingFa, Altair e Ioniqa patrocinaram a ida dos jornalistas à K Preview. Elas também anteciparam alguns de seus lançamentos, os quais poderão ser vistos nas próximas semanas na seção K 2022 da revista Plástico Industrial, e também nas edições impressa e digital do mês de setembro, onde haverá destaque para a participação brasileira no evento.

Fonte: Plástico Industrial publicado em 01/07/2022

Top