Você está em
Home > Notícias > PE: PREÇOS EM QUEDA NA AMÉRICA LATINA

PE: PREÇOS EM QUEDA NA AMÉRICA LATINA

 

OFERECEMOS FABRICAÇÃO DE MOLDE E ESTAMPO

 

Fonte: Plásticos em Revista

PE: preços em queda na América Latina (15/12/2018)

Recuo das cotações na região conjuga câmbio e petróleo com excedente da resina dos EUA, atesta analista do Icis

Reação em cadeia à baixa mundial do barril de petróleo e ao aumento este ano da produção da resina no Golfo dos EUA, os preços de polietileno (PE) entraram em queda na América Latina, constata o analista George Martin em artigo postado no site britânico Icis, especializado no acompanhamento das indústrias química e petroquímica.

Outro peso a favor do declínio nas cotações da resina na região, ele encaixa, é o impacto da valorização do dólar sobre as moedas locais, um abalo notado em especial na Argentina, onde o peso tem acusado forte vulnerabilidade perante a moeda norte-americana.

No México, distingue Martin, o principal entrave tem sido a proliferação de ofertas de PE por produtores norte-americanos, à sombra das isenções tarifárias do Nafta, agravada pelo aumento da produção interna da resina. Segundo o analista do Icis, a expansão transcorre há três anos com a operação do complexo Etileno XXI, que tem a brasileira Braskem como acionista majoritária, aliado às importações de etano feitas pela estatal Pemex para reativar sua produção de 35.000 t/mês de PE.

Em decorrência da super oferta, amarra as pontas Martin, os preços da resina no México retrocedem de forma gradativa. No Brasil, por seu turno, especifica o articulista, a Braskem, única produtora de poliolefinas no país, reduziu seus preços de PE em novembro e dezembro, para deter o incremento das importações.

Na Argentina, a inflação de 48% e os juros na faixa de 60% amorteceram este ano a demanda de resinas plásticas, mas os preços não recuaram muito”, ele nota. “A Dow (única produtora argentina de PE) tem sido menos propensa a praticar preços da resina inferiores aos da Braskem no Brasil”.

De outro ângulo, insere Martin, a logística também complica o cenário para a poliolefina no mercado sul-americano com a redução da quantidade de navios para transporte na região. A maioria dos países na costa do Pacífico, aponta o articulista do Icis, a exemplo de Colômbia, Equador, Peru e Chile, operam com zero ou mínimas tarifas de importação, em contraste com as taxas elevadas no Brasil e Argentina, e têm presenciado o desembarque de PE a preços decrescentes.

A situação aumenta a pressão sob os produtores de PE na América do Sul, agora empenhados em preservar sua participação de mercado”, considera Martin.

Fonte: Plásticos em Revista

 

 

 

Deixe uma resposta


Top