Você está em
Home > Notícias > SIMPLÁS DESVENDA FUTURO DA INDÚSTRIA DO PLÁSTICO COM ENGENHEIRO DE INOVAÇÃO DA BRASKEM

SIMPLÁS DESVENDA FUTURO DA INDÚSTRIA DO PLÁSTICO COM ENGENHEIRO DE INOVAÇÃO DA BRASKEM

Everton Simões Van Dal fala das tendências da impressão 3D até para o setor de moldes e como os polímeros inteligentes vão da prateleira do supermercado para a geladeira do consumidor. É segunda-feira (26), na Reunião-Jantar do sindicato, na CIC de Caxias do Sul

Para quem atua na indústria de transformação, mais do que se preparar, o negócio é se acostumar, pois algumas das grandes mudanças do setor entrarão, não pelos portões das fábricas, mas pela porta de casa. Nos próximos cinco anos, o churrasco do fim de semana sairá de uma embalagem feita de polímero inteligente, que sinaliza a validade da carne, enquanto o mercado de impressão 3D vai quintuplicar, chegando a US$ 26 bilhões – e abrir possibilidades, acredite, até para o segmento de moldes.

As informações fazem parte da palestra A Indústria de Plástico do Futuro, que o engenheiro de inovação da Braskem, Everton Simões Van Dal (foto), traz, na segunda-feira (26), a partir das 20h, para a Reunião-Jantar do Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho (Simplás). Informações, consulta de disponibilidade de vagas e inscrições para o encontro na Câmara de Indústria, Comércio e Serviços (CIC) de Caxias do Sul (RS), podem ser obtidas pelo telefone (54) 3013.8484 ou e-mail vanessa@simplas.com.br.

Os participantes estão convidados a contribuir com um quilo de alimento não-perecível ou R$ 10, que serão doados a uma instituição de caridade. A Reunião-Jantar do Simplás tem o patrocínio de Raidbr – Tecnologia da Informação.

“É muito fácil nos acostumarmos com as coisas quando elas são melhores, mas é muito difícil olharmos para trás e tentarmos prever o futuro. Às vezes não é intuitivo saber como a tecnologia vai estar daqui a 10 anos e entender como ela vai impactar no seu negócio, pois a evolução acontece em ritmo exponencial. Por isso, na Braskem, trabalhamos com o modelo de inovação aberta, colaborativo. Tudo é construído a quatro ou seis mãos”, afirma Van Dal.

Na visão da maior petroquímica das Américas, a impressão 3D se consolida como tendência para prototipagem ou produção de peças específicas, em pequena escala. Praticamente individual. Porém, evolui como tecnologia exponencial. Multinacionais como Arburg, HP, Polaroid e Toshiba investem pesado no segmento. Ao oferecer no mercado impressoras melhores, mais baratas, mais capazes e de melhor qualidade, começam a entrar na demanda por fabricação de larga escala. O mercado de impressão 3D, que hoje é de US$ 5 bi, cresce 26% ao ano há 27 anos. Em cerca de cinco anos, deve atingir US$ 26 bilhões.

“A impressão 3D vai impactar mais em transformação e distribuição. Vai viabilizar a personalização em massa, sem moldes. Surge a possibilidade de manufatura descentralizada, permitindo a redução de estoques e consequentemente, de custos. Ainda não se sabe se chegará ao nível doméstico em tão pouco tempo. Mas poderá ser como os centros de cópias da Xerox, com pontos de venda espalhados pelo mundo”, pondera o engenheiro.

Para quem trabalha com larga escala, revela o palestrante da Reunião-Jantar do Simplás, a mudança aparecerá na impressão do próprio molde. De plástico ou metal.

“O molde não deixa de existir. Ele fica mais barato e com melhor performance. A complexidade do projeto não será problema. Pode ter ainda mais canais de resfriamento. Ciclo de injeção com tempo menor. O fabricante imprime o molde e aumenta a produtividade da cadeia toda. Você pode passar a oferecer 10 linhas de produtos com 100 mil unidades cada um. Pode mudar o molde mais frequentemente. A [multinacional alemã] Arburg já tem uma impressora 3D lançada comercialmente para personalizar peças injetadas. É uma proposta complementar ao modelo atual”, define Van Dal.

 

Inteligência para vender

Aliás, para os transformadores plásticos, o que não falta no futuro – ou já no presente, em muitos casos – são novidades nos modelos de negócio, proporcionadas pela tecnologia. Neste particular, trata-se da chamada indústria 4.0, que vai tornar a cadeia do plástico mais produtiva e reduzir custos de processamento. A otimização em tempo real, por meio de sensores coletando dados, vai viabilizar novos modelos de negócio, baseados nestas informações.

“A Engel, fabricante tradicional de injetoras, trabalha com o conceito Smart Machine. Um software faz com que o volume de fundido injetado se mantenha constante, independentemente de flutuações na matéria-prima ou condições de ambiente. A injetora vai se otimizando em tempo real. O ganho de produtividade e a redução de perdas são substanciais. Também tem o Smart Service. Novos modelos de negócio, em que o fabricante vende, além da máquina, o serviço. Por exemplo, uma rosca de extrusão com sensores que permitem prever falhas e antecipar manutenção. O fabricante pode vender, também, um pacote de serviços de inteligência a partir de coleta de dados”, revela Everton Simões Van Dal.

Outra novidade no horizonte próximo são os chamados polímeros inteligentes. Aqueles que serão transformados em embalagens com a capacidade de, por exemplo, avisar quando o leite está perdendo a validade. Atualmente na fase de protótipo, em cinco anos, acredita-se, já devem adquirir aplicações no mercado. Ou até mesmo antes disso, avalia o engenheiro de inovação da Braskem:

“É um produto que vai entrar em mercados específicos, em segmentos onde isso seja uma vantagem para o consumidor. Nos perecíveis [carne, peixe, leite, iogurte], por exemplo. A mudança vai começar em nichos, porque envolve vários elos na cadeia, desde o produtor do polímero, passando pelo transformador, até chegar ao consumidor final. Mudança na tecnologia envolve mudança de custo e mudança de modelo de negócio”.

 

“Arábia Saudita da biomassa”

Palestrante da Reunião-Jantar do Simplás do dia 26 (segunda-feira), o engenheiro de inovação da Braskem, Everton Simões Van Dal também foi uma das atrações do 2º Congresso Brasileiro do Plástico, ano passado, em Porto Alegre. Na ocasião, apresentou ao público outras tecnologias que devem mudar substancialmente o panorama da indústria de transformação – e por consequência, da vida de boa parte da população – nos próximos anos.

Com o custo do sequenciamento genético despencando de US$ 100 milhões em 2001 para menos de US$ 1 mil nos dias atuais, a biologia sintética abre caminho para a produção de novos polímeros, com novas aplicações, hoje inexistentes. Tudo a partir de uma fonte renovável. E nacional.

“Temos a possibilidade de produzir novas matérias-primas com custo bastante inferior. Codificar uma levedura ou bactéria que processa açúcar e produz etanol para produzir um determinado tipo de isômero e ainda capturar e fixar gás carbônico da atmosfera na forma de plástico. Apesar da crise, temos uma indústria sucro-alcooleira extremamente desenvolvida, com preços muito competitivos de açúcar, etanol e biomassa. Um dos preços mais baratos do mundo. O ciclo de carbono na cana-de-açúcar é mais interessante que no açúcar oriundo do milho [produzido nos Estados Unidos] ou de beterraba [feito na Europa]. O Brasil é a Arábia Saudita da biomassa. Todas essas tecnologias devem aumentar a produtividade e a sustentabilidade da cadeia”, arremata Van Dal. Fonte:  IMPRENSA / NOTÍCIAS SIMPLÁS

Deixe uma resposta


Top